Hoje sinaliza-se o dia do Cancro da mama

Navegar na internet pode leva-la ao naufrágio ou a bom porto e tudo tem a haver com as fontes que encontra.

A minha paixão pela oncologia nasceu, se me segue já o saberá, com o surgimento do cancro de próstata diagnosticado ao meu pai. Foi naquele momento que percebi que há um “mar” de ignorância em torno da prevenção do cancro e quando este está presente aí o “mar” ainda é maior.

Deparei-me a alguns meses atrás com uma paciente com diagnóstico de cancro da mama. Mulher, na casa dos 40 e poucos anos e fumadora. Além desse comportamento de risco, inalação de tabaco (31% dos factores de risco de cancro), a sua alimentação era igualmente de risco (31% dos factores de risco de cancro). Não, não me enganei, a OMS assim o diz, a alimentação e gestão de peso tem um peso tão grande quanto o tabaco para desenvolvermos um tumor e, tal como o tabaco, você ingere várias vezes ao dia e tudo vai parar ao sangue, seja os compostos do tabaco seja os compostos dos alimentos, e, uma vez no sangue, este percorre cada milímetro do seu corpo e chega a todas as células, as triliões que cada um de nós temos, parecendo quase inevitável não prejudicar uma célula que seja com os vários comportamentos de risco que praticamos!

Voltando a esta Mulher. Tentei em consulta explicar-lhe o que é o cancro, porque a população ocidental e supostamente mais desenvolvida tem maior incidência e mortalidade por esta doença e porque se estima que este número não pare de aumentar, crendo-se que, num futuro mesmo muito próximo, 1 em cada 2 portugueses terá tido pelo menos cancro uma vez na sua vida.

Ao longo da consulta evidenciei por diversas vezes a necessidade de travar a intoxicação constante, onde o tabaco também fazia parte. Esta Mulher, saiu do consultório determinada em mudar o seu estilo de vida incluindo diminuir significativamente o consumo de tabaco ou até eliminá-lo.

Tudo corria bem até que passado alguns meses esta Mulher volta ao meu gabinete e partilha comigo que o seu médico oncologista e a enfermeira que a seguem estimularam o consumo de tabaco.

Ora, estando a mulher significativamente melhor de saúde, aguentando-se sem fumar e sem comer comida prejudicial para o seu quadro clínico, aumentando a prática de hábitos de vida saudáveis, depara-se com indicação do médico, onde a mesma afirma: “O médico disse-me que não era o momento para parar de fumar, que continua-se a fumar como fumava. Eu respondi-lhe que já até havia dias que não fumava e que passava bem e não andava sequer ansiosa, mas ele voltou a reforçar a ideia que tinha que continuar com os meus hábitos anteriores incluindo fumar. Na sessão da quimioterapia, a enfermeira veio falar comigo e reforçou a ideia do médico. Aquilo não me fez qualquer sentido e percebi ali naquele momento que tenho que seguir o que me faz sentido e procurar quem me alinhe e não quem me desvie de comportamentos saudáveis, daí voltar à sua consulta.” Esta Mulher havia também suspendido a toma de suplementos que lhe aconselhei porque o médico indicou.

Falamos de suplementos que são importantes reforçar com vista a não entrarmos em anemias, dores no corpo e articulações, entre muitos outros sintomas típicos deste tipo de tratamentos bem como deficiências nutricionais detetadas em analíses sanguíneas…

Passamos a vida de costas viradas uns para os outros quando poderíamos fazer um trabalho no mesmo sentido, aprendendo e apreendendo técnicas e mais conhecido no que concerne à biologia corporal (desabafo).

Ora, caberá a cada uma de nós procurar a verdade e essa é aquela que nos fará sentido. Ninguém é dono/a da verdade absoluta, logo, o caminho da nossa vida somos nós que o traçamos pelo que deverá estar informada de todos os “ques” e “ses” e ter consciência e escolher por si e para si, mesmo que isso vá contra os ideais de alguém, afinal de contas trata-se da sua vida.

Fica de seguida alguns nutrientes, que na minha opinião, poderá ter em consideração na prevenção e auxílio no cancro da mama.

  • Vitamina D3
  • Vitamina K2
  • Iodo
  • Magnésio
  • Selénio
  • Vitaminas do complexo B
  • Vitamina C
  • Ferro

Vitamina D3

Segundo a Associação Americana de pesquisa no cancro, quando a vitamina D3 se encontra a 50 ng/ml ou mais existe uma redução em cerca de 80% de cancro da mama.

Vitamina K2

Além de melhorar a absorção de vitamina D3 bem como de cálcio, esta vitamina é sintetizada no nosso corpo e melhora a saúde cardíaca, estimula o sistema imunitário, fortalece os ossos e equilibra as hormonas.

Iodo

Muito associado à tiróide, mas hoje sabe-se que todas as células do nosso corpo precisam de iodo. Por vezes os indivíduos até consomem alimentos ricos neste mineral mas o nível de toxicidade corporal ou permeabilidade ou inflamação intestinal é tal que pode bloquear a absorção deste nutriente entrando-se em deficiência.

Magnésio

Continuo a acreditar que um dos nutrientes mais importantes para a boa gestão do nosso organismo e com isso entenda-se altamente preventivo de uma boa percentagem de doenças.

Este está associado:

  • Bom funcionamento do sistema nervoso e muscular,
  • Regulador da dor,
  • Sintetiza DNA e RNA,
  • Equilibra as hormonas,
  • Equilibra o ciclo de sono,
  • Sintetiza vitamina C, vitamina E e outros nutrientes,
  • Ajuda na regulação da inflamação,
  • Auxilia na produção da glutationa,
  • Actua na diminuição do crescimento tumoral.

Selénio

Um mineral que muitos desconhecem a sua ação e até o seu nome, mas estudos referenciam que o selénio consegue afetar a ligação NGK2D que as células oncológicas utilizam para desarmar as células imunitárias. Logo, com níveis interessantes de selénio o nosso sistema imunitário, enquanto forte, consegue agir sobre as células oncológicas afectando assim, positivamente, a saúde do doente. E sabe o mais engraçado? Há médicos e médicos oncologistas que num quadro clinico de cancro acham ridículo eu pedir o selénio não sendo relevante para o quadro clinico, passando a citar parte de um mail de uma paciente com cancro:

As seguintes análises a médica oncologista e restante equipa não acharam necessário fazer, se a Dra. Magda achar relevante fazê-las, posso como referi acima fazer na Clinica:

  • Vel. Sedimentação
  • Transferrina
  • Selénio
  • Zinco

Vitaminas do complexo B

  • B1 – auxilia na conversão da energia,
  • B2 – potente antioxidante,
  • B3 e B5 – mantém as hormonas do sistema reprodutivo saudáveis,
  • B6 – níveis baixos aumentam o risco de cancro,
  • B9 (ácido fólico) – reabilita a genética celular e protege contra o cancro da mama,
  • B12 – auxilia no sistema nervoso, mantendo estável o stress celular e melhora a absorção do ferro.

Vitamina C

A minha mais recente paixão. É um poderoso antioxidante e essencial para manter o sistema imunitário e cardiovascular saudável. Crê-se que consegue provocar a morte celular (nas células oncológicas) por oxidação das mesmas. Mas acredite não são as DDR que lhe farão o efeito, este é um assunto que mais tarde irá ser abordado no meu próximo livro. 🙂

Ferro

Estudos evidenciam que quer altos níveis de ferro quer baixos níveis de ferro podem estar associados ao cancro da mama pelo que neste caso específico é importante ter consciência de que os valores têm que estar normalizados e que a ferritina, igualmente deve estar bem. É comum associar o ferro à anemia e na presença de baixos valores de hemoglobina aconselhar a toma de ferro, no entanto, atenção que é uma faca de dois gumes.

Nenhum dos nutrientes aqui abordados devem ser tomados sem o devido acompanhamento de um profissional superior de saúde.

MR

Fontes:

 

Deixe uma resposta

Fechar MENU